terça-feira, maio 05, 2015

Os sinais

Sinais. Ao longo do caminho ouvi falar nos sinais e que devemos estar de olhos e ouvidos abertos para percebê-los. Penso que a atribulação do dia a dia e o esforço pela sobrevivência talvez não deixe espaço para a observação e a consciência desses sinais. Pois ontem tive uma tomada de consciência que assemelhou-se a um clarão de luz. É como se de repente todas (ou quase todas) as questões existências clareassem para mim.
O local
Água quente e limpa. Eu estava numa piscina de água quente e limpa, transparente, quase só. Na piscina ao lado, meia centena de velhinhos entre sessenta e oitenta e cinco anos. Os homens conversavam entre si discretamente. As mulheres contavam piadas, gargalhavam e de repente começaram a entoar cantigas de roda da infância e a literalmente rodar dentro da água. Se fora da água eram sisudas, cabisbaixas, na água se transformaram, eram meninas de novo.

Ioga Nidra
Tenho sentido dificuldades em adormecer em função da menopausa, entre outras coisas. Minha filha Lu indicou a Ioga Nidra, que consiste basicamente em relaxar profundamente. Liguei o tablet e sintonizei no youtube. Fiquei ouvindo o voz suave do condutor do processo e uma das coisas que lembro é "entregue-se ao universo, faça parte dele". Adormeci, mas ao mesmo tempo despertei.

O efêmero
Assisti a pedaços de um programa sobre religiões em que um rabino falou sobre a natureza e as diferentes formas que podemos vê-la. A natureza como perfeita, não necessitando de intervenção. Natureza das coisas, dos seres. Nesse sentido, sinto que nós afastamos tanto da natureza que nem sabemos mais quem somos.
Aspirando o perfume de uma pequena rosa, observando a efemeridade das borboletas, pensando na amiga que está para deixar esse mundo a qualquer momento, de repente, com rapidez; penso na transitoriedade das coisas humanas. Pensei nas velhinhas cantando e dançando na água, na morte das minhas amigas por câncer, nas pequenas rosinhas e nas borboletas amarelas que vejo daqui, enquanto escrevo, e me deu conta que a vida flui, anda, é finita.

E, finalmente, aquilo que já ouvi muito é que soava como um chavão: o que passou passou e o futuro a Deus pertence.

O tempo
O melhor momento é o agora, mesmo.  O que passou não posso mudar. O futuro é uma incógnita....e nunca fui boa em matemática.

As pessoas
Filhos, mãe, irmãos, amigos, pessoas que conhecemos e que passam por nossa vida tem importância única. Cada um à sua maneira, para o bem ou para o mal, cumprem o seu papel e precisamos estar abertos e atentos ao seu significado.

Desapego
Esse é um exercício que preciso praticar mais e mais.

Gratidão
Percebi que sou grata ao momento,às pessoas que estão próximas de mim, que fazem parte da minha vida, mas que não sou dona do afeto delas é que elas não me pertencem. Descobri que não estou nesse planeta por acaso, que preciso aprender cada vez mais e evoluir.

Desejo para mim:
Alegria
Bom humor
Desapego
Leveza
...e saúde física para viver muito tempo por aqui.

Percebo os sinais e tenho consciência deles. Não li nenhum livro de auto-ajuda, apenas abri os olhos e os ouvidos  à vida.




  • A Igualdade é Branca
  • A Fraternidade é Vermelha
  • A Liberdade é Azul
  • Blade Runner